terça-feira, 31 de maio de 2011

Dialética (antítese ao poeta)


É claro que a vida é dura
E a apatia, a resposta
mais óbvia
É claro que tu me achas inepto
E em mim maldizes a frieza da humanidade
E como amar é tão complicado
E tenho tudo para ser triste

Mas acontece que eu sou feliz...

9 comentários:

Mari disse...

Certíssimo...
Tem certas horas que o mundo pode estar desabando que nada tira a felicidade!
Beijos

By Dani Valentini disse...

Parafraseando eu diria: "É melhor ser feliz do que ser triste... a felicidade é a melhor coisa que existe"!

Marcelo Faccenda disse...

Mari, eu penso que ser feliz é puro instinto de sobrevivência. Se jjá está ruim com os bons acreditando que pode mudar, imagina quando a gente desistir... :oP

Beijo!

Marcelo Faccenda disse...

Dani,

Mas ao mesmo tempo, na Dialetica do próprio Vinícius ele diz: "E tenho tudo para ser feliz. mas acontece que eu sou triste."

Beijo!

Camila disse...

que bonitinho... versinhos!

Marcelo Faccenda disse...

Eu sou todo bonitinho, Camila... :o)

Annynha disse...

Pra quê perder tempo com tristezas? Nossa vida já é tão curta...
Sem contar que esses momentos só tem uma função a de lembrar a gente de valorizar os momentos felizes!

Ps: Adorei seus versos, estou te seguindo

nj.marabuto disse...

E que felicidade é essa, quando a gente tem tudo pra ser triste? E que tudo é esse? Ora diamante descolado, pelo atrito, de uma Caran D'ache seca de poesia. Por quê? E que inexorabilidade é essa que se fragmenta batatinha-quando-nasce? Grãos de areia, espalha-rama, fascículos swarovski ao chão. Qual o valor do espelho? As alegrias têm prazos, dirá. O prazer ritual do supérfluo agrega, envolve, sela. Alegorias. E a felicidade? Está na ontologia dos copos de requeijão. Que seja verdadeiro, sempre, ou então que sequer ambicione a natureza daquilo que não passa.

Garçon, a síntese, por favor!

Marcelo Faccenda disse...

sigh...