terça-feira, 6 de abril de 2010

Futuro do pretérito

Um dia desses, vou a Bogotá, fugir de mim. Fugir de você também, confesso, e de uma porção de outros enganos. E, no momento, meu coração está pendendo pra capital da Colômbia, não sei bem por quê. Penso em escrever um livro e a sombra do maestro Garcia Marquez far-me-ia bem, embora, pelo que me conste, tenha passado muito pouco tempo em Bogotá.

A verdade é que também não necessito da sombra de porra nenhuma. Se quisesse, poderia ir a Barcelona, ainda que o único escritor espanhol que conheça seja Cervantes. Os catalães são cheios de álcool e vida, e poderia acalmar meu espírito inquieto viajando pelos arrabaldes da Espanha. E sempre haveria Goya, Miró, Greco, Picasso e Dali. E Paco de Lucia e Estopa, claro.

Mas vou em busca da minha essência, ou seja, da merda. E merda eu posso encontrar em qualquer lugar, convenhamos. Menos em Montreal, talvez, que também é uma possibilidade que andei considerando. Não sei nem o que eu faria num país tão asséptico. Sou capaz de provocar uma infecção no Canadá. Só iria pra lá pelos festivais de jazz e pelo frio, pela proximidade de amigos queridos. Pra aprender a língua, quiçá. O fato é que Montreal já foi uma opção mais sólida, hoje esmaeceu um pouco.

Há ainda, Buenos Aires, sempre plena de álcool, cultura, vida e merda. Do jeito que eu gosto. E com a vantagem de termos a intimidade de anos de convivência. Fantasmas, teria vários: o tio Borges, Cortázar, Sabato. Poderia transitar por locais caros a mim, como a El Ateneo e o Malba. Montar um pequeno estúdio em Palermo, ou quem sabe Santelmo, se a coragem me assaltar, pra riscar algum conto.

Queria sumir, apagar meus rastros. Escrever outras histórias, não pela vergonha de ser o que sou, mas pela aventura de ser outra coisa. Se pelo menos eu não fosse tão covarde...

8 comentários:

Ju Borges disse...

E o México? \o/
para onde foi?

Marcelo Faccenda disse...

O México tá guardado pra um momento posterior, quem sabe pra morar pra sempre... Não é um lugar que eu quero conhecer sozinho.... Beijo!!!

Má disse...

E Atlanta? É definitivamente um lugar de começos. Ou de re-descobertas.

Marcelo Faccenda disse...

a Pri disse a mesma coisa. Tou considerando, embora eu saiba que vc nunca vão me deixar ficar sozinho... :o)

Camilinha disse...

Você não é covarde, é humano. E, olha, qualquer lugar é bom quando não se está fugindo de nada. Quando estamos, tudo nos parece uma prisão. Mesmo assim, boa viagem!

beijos daqui...

Marcelo Faccenda disse...

Alenta muito pensar dessa maneira, espero que role mesmo a coragem, embora seja um plano pra daqui a alguns meses. Vai ter que me aturar mais um pouquinho, hein? Beijo!

Maria disse...

Espero que você encontre o que procura ou que perca o que não deveria estar mais com você.

Marcelo Faccenda disse...

E principalmente que eu possa sempre contar com os amigos queridos na volta pra casa.... Beijo!!!