quarta-feira, 6 de maio de 2009

Advogados e economistas


E aí que eu trabalho em lugar com um dos maiores déficits de vagas para estacionamento do Distrito Federal. Acho que, nesse quesito, perdemos apenas pro Setor Comercial Sul. Há algumas semanas, fiquei feliz ao perceber a movimentação de máquinas de compactação de solo na área próxima aos estacionamentos, pois achei - inocentemente - que o governo tinha se compadecido da situação e resolvido ampliar as vagas criando mais estacionamentos.

Pra minha surpresa, no dia seguinte, apareceu, nas cercanias da obra, uma placa com os dizeres "PRAÇA DA CIDADANIA DA OAB - CIRCULAÇÃO E LAZER". Ao invés de aumentar o número de vagas, beneficiando motoristas e pedestres - já que eles precisam andar desviando dos carros estacionados nas poucas calçadas disponíveis -, a benemérita Ordem dos Advogados do Brasil está presenteando a comunidade com uma bela praça em um lugar onde não passa ninguém e muito menos fica por lá coçando o saco.

Além de virar um espaço perfeito pra vagabundos e viciados passarem o tempo à noite, a praça vai avançar sobre os estacionamentos existentes, acabando com mais ou menos 80 das já escassas vaguinhas originais. Admirando essas incontestáveis demonstrações de inteligência e noção de realidade, e sabendo que essa corjinha domina o mundo, dá até pra ficar assustado pensando em onde a coisa vai parar...

***

Alguém vai dizer que não sabia? Só podia dar merda. Deixamos o mundo nas mãos de economistas, uns caras estranhos aí, e a crise financeira chegou matando.

Agora vamos analisar friamente: os caras só se comunicam em termos que ninguém - inclusive eles - sabe o que significa, explicam processos que não têm explicação e fazem prognósticos que nunca se concretizam, e ainda chamam economia de ciência. Mas é até compreensível: não dá pra esperar nada melhor do que um coitado que passou cinco ou seis anos na faculdade em uma turma repleta de caras remelentos e mal vestidos, e que, quando ficava com uma vontade incontrolável de apreciar um ser do sexo oposto, tinha que se contentar em olhar coisas - coisas mesmo - do naipe da Míriam Leitão ou da Zélia Cardoso. Se desse sorte, podia até achar uma Dilma Housseff.

Desse jeito, tenho que dar razão pra quem uma vez disse: economista é uma profissão que foi criada pra fazer os meteorologistas parecerem competentes...


12 comentários:

pedson disse...

iiihhhhh, caramba, estou mal: um deles, eu já o sou; o outro, eu pretendo ser... hehehe

Bel Lucyk disse...

Marcelito!
Olha o preconceito com o povo que fala dificil! Vc é um dos que mais adora usar palavrinhas que estão na sessão de raridade do nosso querido Aurélio! kkkkkkk
PS - vc me leva pra passear na pracinha? uahauhauahauah
beijos

Marcelo Faccenda disse...

Putz, PE!!!! Tinha até esquecido disso, mas posso dizer com sincedade que vc é uma exceção animadora no meio dessa realidade triste... kkkkkk!!! Abração!

Marcelo Faccenda disse...

Bel, o problema não é falar difícil, é inventar jargões ininteligíveis pra justificar a própria existência...
Te levo lá sim, de madrugada, só nós dois... kkkkkkkk!!! Beijo!

irene disse...

Também pensei, a princípio, que fosse para diminuir o déficit de vagas..., ainda que sacrificando o espaço verde, pois bem sei o quanto isso ali é complicado.
Ao meu ver está sendo só mais um instrumento político de auto-promoção, em que se usa o dinheiro público para interesses particulares, construindo uma espécie de "ponte liga nada a lugar nenhum". São caras-de-pau, sem princípios éticos, e que não se importam com as reais necessidades dos contribuintes.
A história do poder sempre se repete no tempo corrompendo a muitos que não possuem firmeza de caráter e princípios éticos. Individualistas, estão sempre a alimentar esse sistema utilitarista e antropocêntrico do homem moderno...
E tenho certeza que concorda comigo: independe da profissão escolhida, pois estão em todas as cadeiras de comando, como um tumor em processo de metastase que compromete e contamina o todo.
(...) há vagas de estacionamento reservadas para essas "autoridades" no prédio da OAB ou em quaisquer outros levantados recentemente, e eles não precisam disputar com a gente o espaço.
Nem pão e água se dá mais aos pobres.

Marcelo Faccenda disse...

É verdade, Irene... A verdade é uma só mesmo: o poder corrompe...

Irene disse...

Pois é!...
E quando quiseres algum dia meter o pau nessa classizinha de políticos, é só abrir o canal, que eu ajudo...Beijinhos!

Heliovna disse...

Quanto ódio nesse coraçãozinho gelado...

Marcelo Faccenda disse...

Esqueci de citar no texto, mas outra racinha que eu não suporto são esses diplomatinhas e seres anexos do Itamaraty... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!

Heliovna disse...

Hahahahahahahahahahaha!!!

Seres anexos foi foda, hein?!? :oP

Bjs!

Madame Mim disse...

Corjinha é foda.
Não é todo advogado que é sem noção, viu?
Hunf.

Marcelo Faccenda disse...

Claro que não, Mim... Foi só licença poética.. :o)