quinta-feira, 23 de abril de 2009

Gordurinha trans lifestyle

Quem me conhece bem sabe que tenho dois irmãos, que eu amo demais. Um de nascença, que não escolhi, mas que depois de anos revelou-se um tremendo acerto do destino, apesar do fato de ser uma pessoa completamente diferente de mim em todos os sentidos. O outro, que pretendo homenagear nesse post, eu também não escolhi, mas somos tão parecidos em tantos aspectos que é provável que um exame de DNA nos apontasse como legítimos herdeiros do “coisa ruim”.
Somos ambos complexos, vaidosos, egocêntricos, suscetíveis, geminianos, prepotentes, pedantes, e pra não ficar só nas qualidades, também somos brilhantes, simpáticos, leais, prestativos e mais um monte de outras bobagens. Só diferimos mesmo pelo fato dele ser um cara (quase) sempre pra cima, apesar dos problemas, e eu sempre desconfiado, apesar das conquistas. Somos o copo meio cheio e meio vazio, respectivamente.
Outra coisa em que somos extremamente parecidos é no senso irresistível de autodestruição que nos consome. Levar a vida desregrada que levamos, mesmo pra quem tem a saúde perfeita, já não seria aconselhável. Considerando minhas complicações de pâncreas e de tireóide, e os problemas de fígado e de peso dele, é quase uma receita certa pra problemas graves num futuro bem próximo.
Recentemente, os exames laboratoriais desse meu irmão ficaram prontos, acusando resultados bem preocupantes, principalmente os níveis de colesterol, de tiroxina e de aminotransferases. Ele ficou cabreiro, mas se o conheço bem, essa neura vai durar até a próxima orgia ou o próximo fim de semana, o que vier primeiro. Posso atestar de camarote, já que também passei por isso e não abri mão da esbórnia. Posso até imaginá-lo no consultório do hepatologista, após entregar o resultado dos exames:
Médico: Sr. Fernando, o senhor precisa escolher: dieta, exercícios e a vida; ou cerveja, churrasco, lasanha e a morte. O que o senhor prefere?
Fernando: ...
Médico: E então?
Fernando: Hmmmmm...
Médico: Sr. Fernando, essa é uma decisão que cabe somente ao senhor.
Fernando: Deixa eu ver... Essa lasanha é de quê?

6 comentários:

Bel Lucyk disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
adorei a cena do médico! Tenho certeza que seria assim. E a sua, não seria muito diferente... rs rs
Mas tudo bem. Adoro vocês dois assim, do jeitinho autodestrutivo que vocês são. Mas por favor, tratem de viver ainda vários anos pra gente ter muita farra pela frente, óqueeeeei? beijos

Fafá Póvoas disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Eu juro que dei uma gargalhada aqui no trabalho,me senti uma doida em frente ao computer "passando" mal de rir!!!

Adoreiiiii!!! Imaginei direitinho o Cremo !!! ahahahaha

Mil beijos

Marcelo Faccenda disse...

Kkkkkkkkk!! É uma sacanagem com o Cremo, mas é a assunção de culpa também... somos muito parecidos mesmo....

drinha caeiro disse...

Quer dizer que eu homenageio vc e voce homenageia ELE???????? Ciiiiiiiiúúúúúúúmeeeeeeeee sem fim!! Vai ser padrinho do casamento dele, então!!! Revolta, muita revolta! HAUHAUHAUHAUHAUAHHAUAHA!!
Saudade de vc, meu querido! Ó, em maio eu tô aí! beijo!

Marcelo Faccenda disse...

Pode deixar que estou guardando seu post-homenagem pro seu casamento, coração... saudades monstras de vc, mal posso esperar até maio... Beijo!

Madame Mim disse...

kkkkkkkkkkkkkkk...
ótimo!