quarta-feira, 29 de abril de 2009

Aspirações espirituais

Quando eu era pequeno minha mãe enchia o saco pra gente escovar os dentes. Hoje em dia a propaganda do plax ensina que 80% das bactérias estão na língua e nas bochechas.

Antigamente, quem comia ovo, chocolate, azeite de oliva ou vinho já podia assinar a sentença de morte por entupimento das vias arteriais. Hoje tem um tal de colesterol bom que deixa a gente comer essas paradinhas todas, desde que no sapatinho.

O que ontem era tabu hoje é dica de saúde. Manga com leite pode, carne vermelha pode até de madrugada e sexo anal também, desde que com carinho.

A continuar nessa balada, vou torcer pros cientistas, esses seres maravilhosos que descobrem o que querem quando querem, finalmente estabelecerem uma relação direta entre a quantidade de vodca no sangue e o tamanho do pênis...

* * *

Então fica acertado: vou começar a fazer caridade, ser amável com os animaizinhos, ajudar velhinhas indefesas a travessar a rua, não jogar lixo no chão e procurar ser uma pessoa mais iluminada a cada dia, e Deus Todo Poderoso vai permitir que na próxima encarnação eu volte à terra como etiqueta de biquini...


quinta-feira, 23 de abril de 2009

Gordurinha trans lifestyle

Quem me conhece bem sabe que tenho dois irmãos, que eu amo demais. Um de nascença, que não escolhi, mas que depois de anos revelou-se um tremendo acerto do destino, apesar do fato de ser uma pessoa completamente diferente de mim em todos os sentidos. O outro, que pretendo homenagear nesse post, eu também não escolhi, mas somos tão parecidos em tantos aspectos que é provável que um exame de DNA nos apontasse como legítimos herdeiros do “coisa ruim”.
Somos ambos complexos, vaidosos, egocêntricos, suscetíveis, geminianos, prepotentes, pedantes, e pra não ficar só nas qualidades, também somos brilhantes, simpáticos, leais, prestativos e mais um monte de outras bobagens. Só diferimos mesmo pelo fato dele ser um cara (quase) sempre pra cima, apesar dos problemas, e eu sempre desconfiado, apesar das conquistas. Somos o copo meio cheio e meio vazio, respectivamente.
Outra coisa em que somos extremamente parecidos é no senso irresistível de autodestruição que nos consome. Levar a vida desregrada que levamos, mesmo pra quem tem a saúde perfeita, já não seria aconselhável. Considerando minhas complicações de pâncreas e de tireóide, e os problemas de fígado e de peso dele, é quase uma receita certa pra problemas graves num futuro bem próximo.
Recentemente, os exames laboratoriais desse meu irmão ficaram prontos, acusando resultados bem preocupantes, principalmente os níveis de colesterol, de tiroxina e de aminotransferases. Ele ficou cabreiro, mas se o conheço bem, essa neura vai durar até a próxima orgia ou o próximo fim de semana, o que vier primeiro. Posso atestar de camarote, já que também passei por isso e não abri mão da esbórnia. Posso até imaginá-lo no consultório do hepatologista, após entregar o resultado dos exames:
Médico: Sr. Fernando, o senhor precisa escolher: dieta, exercícios e a vida; ou cerveja, churrasco, lasanha e a morte. O que o senhor prefere?
Fernando: ...
Médico: E então?
Fernando: Hmmmmm...
Médico: Sr. Fernando, essa é uma decisão que cabe somente ao senhor.
Fernando: Deixa eu ver... Essa lasanha é de quê?

terça-feira, 7 de abril de 2009

Inteligência for Dummies - parte 1


Cansado de ficar com cara de paisagem toda vez que o assunto deixa de ser o paredão do BBB ou a crise no Framengo? Perdeu aquela gatinha porque ela disse que gostava do Schopenhauer e você respondeu que preferia o chope gelado? O último livro que você leu até o final foi um daqueles infláveis com o título "O Gato" ou "Cocoricó"? Seus problemas acabaram!!!

A partir de hoje, começa aqui nesse blogue uma pequena série de dicas imperdíveis de como parecer mais inteligente do que você realmente é, sem fazer muito esforço e sem dor de cabeça. Não requer prática, nem tampouco habilidade! Essas dicas são resultado de uma exptensa pesquisa desenvolvida por este que vos fala, mestrado e doutorado em Embromação e Picaretagem pela Universidade Internacional de Taboquinha da Serra. Você pode usá-las separadamente ou todas em conjunto, e ainda sugerir novos procedimentos para incrementar ainda mais esse que já é o manual mais vendido na Amazon.com nas últimas seis semanas. Não perca tempo! Ligue agora mesmo e receba inteiramente grátis dicas de como conquistar todas as mulheres usando apenas uma frase!

Dica 1: Boa memória. O primeiro passo consiste apenas em decorar algumas informações sobre um assunto que você pode tirar do noticiário ou de alguma revista especializada. Os mais eficazes são os que dizem respeito à política internacional e à cultura underground. Decore todo o prognóstico da última reunião do G20 ou a biografia de algum artista obscuro que esteja expondo pelas redondezas. É tiro e queda! Todos ficarão boquiabertos quando você citar o PIB do Zimbabwe ou declarar distraidamente que você prefere as obras do Eduardo Kac pré-fase transgênica. Mas cuidado! Esteja preparado pro caso de algum idiota na roda pedir mais informações sobre a agricultura do Sri Lanka ou querer saber que cazzo é fase transgênica. Nesse caso, respire fundo, levante da mesa e diga que vai dar uma mijada antes porque esse papo vai render. Fuja pela janela do banheiro ou utilize algumas das dicas que serão mostradas aqui nos próximos posts...

domingo, 5 de abril de 2009

O Sono da Razão Produz Monstros

Sou complexo, preciso admitir. Às vezes faço confissões aqui nesse blogue na esperança de que as pessoas se identifiquem e eu descubra que não sou o único surtado nesse mundo. Aproveitando o post de uma amiga, que há alguns dias citou um trecho do livro Encontro Marcado do Fernando Sabino, aproveito pra fazer outra confissão: tenho fobia de algumas obras de arte.

Esse livro do Sabino é um exemplo típico. Li quando estava no terceiro ano, e a sensação de que o homem perdia a vida procurando a si mesmo enquanto o tempo seguia sua marcha inexorável (e que isso aconteceria comigo, inevitavelmente) me deixou tão atordoado que o guardei na estante de casa e prometi nunca mais abri-lo enquanto estivesse vivo.

Vários são os casos que posso citar. As músicas A Lista do Oslwaldo Montenegro e Sinal Fechado do Paulinho da Viola me assustavam por escancarar as pessoas que deixamos pra trás na correria da vida. A gravura O Sono da Razão Produz Monstros, do Goya, que conheci no primeiro semestre da faculdade, e toda obra de Arthur Bispo do Rosário, me inquietaram e provocaram questionamentos sobre minha filosofia de vida, sempore tão sistemática, além de me remeter às minhas noites mal dormidas. Filmes como Em Busca da Felicidade e todos os outros que mostram relações entre pais e filhos me provocam crises de choro homéricas, por razões bem mais óbvias. Ensaio Sobre a Cegueira do Saramago me deixava mal porque era a constatação quase irreversível de que o ser humano, como ente social, é podre.

Mas aí que depois de tudo que ando vivendo, e aproveitando essa fase de questionamentos e reconsiderações, comprei de novo o Ensaio Sobre a Cegueira pra provar pra mim mesmo que meu sentimento pela humanidade mudou, e que não importa quão desprezíveis possam ser nossos atos, sempre somos passíveis de compreensáo e perdão.

Quem sabe, em um futuro breve, depois de ter mais certeza de que a vida segue o curso para o qual é definida, sem tanta interferência nossa, eu possa voltar a ler os livros e ouvir as músicas de que me privei pelo medo de não saber viver...