segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Eu tenho medo dos recônditos da minha alma...*

Eu tenho medo dos recônditos da minha alma. Daqueles lugares perdidos, dos cantos do meu labirinto. Eu tenho medo de onde o sol não bate tão forte. Eu tenho medo das crises de choro, das crises de riso. Eu tenho medo do que eu deixei pra trás e tenho medo de tropeçar em meus próprios pedaços. Eu tenho medo de ter organizado as estrelas do meu céu em seqüências geométricas. De ter enriquecido vendendo as rosas dos meus jardins. Eu tenho medo de ter morrido na viagem e ter sido abandonado na estrada. Por mim mesmo.

Eu me arrependo de ter me construído com tanta retidão, tijolo a tijolo, durante toda minha vida. Eu me arrependo do que perdi por não saber amar e do que eu conquistei por ser um cretino. Eu me arrependo das pessoas que atropelei na pressa de chegar a lugar nenhum. Dos atalhos que só me fizeram perder o melhor da viagem. Eu me arrependo dos tumores que desenvolvi e das metástases que provoquei. Eu me arrependo das dívidas que paguei com sangue, mesmo que não só o meu.
.
Eu não sou esse cara tal, identidade tal, CPF tal.
Eu não sou essa rocha, esse arrimo, essa pessoa que nunca sofre.
Eu não sou esse juiz, esse réu, esse promotor.
Eu sou essa coisa estranha, esse aborto de mim mesmo, esse rosto me olhando.
A todo instante. E sem entender nada.

*(esse é um post antigo que eu estou reeditando pra mostrar a mim mesmo que o meu problema não tinha nada a ver com ignorância)

4 comentários:

Bel Lucyk disse...

Marcelito, eu tenho uma confissão a fazer: tinha copiado esse seu texto e guardado no meu computador desde que o li pela primeira vez. E é o meu predileto.
Fico feliz em vê-lo publicado novamente. bj

Má com acento mesmo disse...

Feioso querido, menos auto-piedade e mais passos do AA que passa tá? E "não se preocupe em entender, viver ultrapassa todo entendimento."

Marcelo Faccenda disse...

Que nada, Maá.. auto-piedade foi na época do post original... e um pouco de entendimento deve ser bom, pelo menos pra tentar não cometer os mesmos erros, né? Mil beijos e saudades!

Cinthia disse...

Amei nosso almoço! beijinhos